Médicos Solidários

Um Brasil diferente será resultado, apenas, do surgimento de brasileiros diferentes.

Omitir-se, aguardando um “salvador da pátria” que nunca virá ou desistir do País, tratando de cuidar de si, em detrimento do lugar onde se vive e das pessoas que o compartilham têm sido as regras no Brasil. O resultado é conhecido: injustiça social, péssimos serviços públicos, demagogia e muita, muita corrupção.

“Novos brasileiros” são aqueles que adotam uma nova atitude, diferente dessas. Assumir a responsabilidade pela própria vida e pelo atual estado de coisas na família, na Cidade, no País aos quais se pertence, ao invés de se atribuir a culpa pelos problemas a outros, é necessário e urgente.

O Brasil não irá mudar “de cima para baixo”. Não surgirão políticos diferentes, enquanto não formarmos eleitores diferentes. Felizmente, conforme tem sido veiculado por esse Blog e, ao contrário do que o noticiário diário sugere, aqui e ali, vêm surgindo focos de mudança de mentalidade e de atitude. Gente que não adere à filosofia equivocada do “levar vantagem em tudo” e que compreende que “é impossível ser feliz sozinho“.

Médicos Solidários

“… Tudo caminhava como ele havia sonhado. O consultório tinha uma ótima clientela, a vida estava estruturada, mas o médico homeopata e acupunturista Hélio Holperin, hoje com 48 anos, não se sentia realizado.

O fato de só algumas pessoas terem acesso àquele atendimento me incomodava profundamente“, conta.

Em 1990, ele decidiu fechar uma vez por semana seu consultório no Jardim Botânico, cruzar a Avenida Brasil e atender de graça no modesto ambulatório da favela Marcílio Dias, no Complexo da Maré. “O nível de gratidão daquelas pessoas, quando percebem que você está ali sem nenhuma obrigação, só por causa delas, é comovente“, descreve ele, atual presidente da ONG Médicos Solidários.

Ela reúne 120 profissionais de saúde, de 23 especialidades, que prestam serviço em cinqüenta bolsões de pobreza do Rio.

Além do atendimento na favela, Holperin vai toda sexta à sede da ONG, no Centro, para trabalhar na captação de recursos e no gerenciamento de projetos. “Esse trabalho mudou a minha vida“, diz. “Não dá para ficar inerte vivenciando de perto o sofrimento…”

A Organização Não-Governamental “Médicos Solidários” é uma instituição “… sem fins lucrativos, fundada por voluntários que prestam assistência gratuita à saúde a pessoas com dificuldade de acesso aos serviços públicos…”.

Foi a mesma fundada em 2001, “… dando continuidade às ações do projeto Médicos Solidários, uma iniciativa da ONG humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras, criado em agosto de 1998…”.

Sua missão é trabalhar em prol da universalidade do direito à saúde. Para tanto, aposta no VOLUNTARIADO, causa e conseqüência  dos princípios de Solidariedade, Dignidade e Inclusão Social.

Na prática, a Ong atua de forma simples e direta: o atendimento se dá, principalmente, nos consultórios dos próprios médicos voluntários. O que proporciona praticidade, além de conforto para eles e os usuários. De acordo com o site da organização: “… a intermediação entre voluntários e beneficiários é feita por uma Central de Atendimento.

O número de voluntários e, conseqüentemente, de atendimentos, é crescente. Enquanto o Poder Público não cumpre a Constituição e assegura Saúde Pública gratuita e de qualidade para TODOS, há profissionais da área que vêm fazendo sua parte.

Transcrevemos, a seguir, matéria publicada no jornal “O Dia“, do Rio de Janeiro, em 03 de outubro de 2010, sobre a “Médicos Solidários“:

“… Depois da paz, saúde. Comunidades pacificadas já começaram a receber a ajuda dos ‘Médicos solidários’, ONG criada a partir de um desmembramento da ‘Médicos sem Fronteiras’. O Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, é o primeiro a receber o projeto SorriGente — de atendimento clínico, odontológico e social em creches. A próxima parada será no abrigo Tereza de Jesus, no Maracanã. A meta é realizar 8.500 atendimentos gratuitos este ano e 10 mil em 2011.

Cerca de 180 crianças da creche Solar Meninos de Luz, na Ladeira Saint Roman, que dá acesso ao Pavão-Pavãozinho, são as primeiras a contar com exames de saúde gerais e oftalmológicos, além de restauração dentária e acompanhamento de uma assistente social.

“O trabalho interdisciplinar nos dá um panorama global da criança. Um problema de saúde pode estar atrelado a condições específicas daquela família”, explica o médico Henrique Peixoto, coordenador de Saúde do projeto.

Alívio

A chegada dos doutores trouxe tranquilidade para a auxiliar de Educação, Maria Lídia Costa, 40 anos. O filho, Christian, de 1 ano, passou por crises convulsivas e ela estava à procura de tratamento alternativo. “Agora vou conseguir tratá-lo com florais. Eles também vão acompanhá-lo”, comemorava, aliviada. “Precisava de oftalmologista e consegui consulta rápida e de qualidade”, contou o auxiliar de serviços gerais, Erivelton da Silva, 25 anos.

“Por mais que haja informação, aprendemos que a realidade é muito diferente nas áreas mais carentes. Consigo ter uma visão mais abrangente aqui”, conta o estudante do 8º período de Odontologia da UFF, Felipe Leal, 23, voluntário que atua no grupo.

Cadastro

Embora não seja exclusivo para as UPPs, a coordenadora do SorriGente, Eliane Vallim, explica que o trabalho dos profissionais é facilitado em regiões pacificadas. “Já atuamos em muitos locais sem UPPs, mas elas nos trazem uma série de fatores que auxiliam nossas atividades”, justifica. Somente as 40 instituições cadastradas, entre creches e ONGs, podem solicitar o serviço.


Atendimento grátis em 130 consultórios

O atendimento, iniciado mês passado, passa por diversas etapas. Primeiro, os profissionais coletam dados dos pacientes, como condições físicas e psicológicas. Em uma segunda fase, agendam exames clínicos e entrevistas com os responsáveis pelas crianças.

“Em casos que necessitam de acompanhamento a longo prazo, encaminhamos as famílias para um dos 130 profissionais da nossa rede de voluntários, em consultórios particulares”, esclarece a assistente social, Rachel de Oliveira…”

… E toda a Raça então experimentará, para todo mal, a Cura…

http://www.youtube.com/watch?v=8FdQLyYf1qY&feature=related

Fontes

- Médicos Solidários;

http://www.medicossolidarios.org.br

- Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, Arts. 6o e 196;

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm

- Artigo: “O Direito à Saúde, à Luz da Constituição Federal“;

http://www.webartigos.com/articles/21909/1/O-Direito-a-Saude-a-Luz-da-Constituicao-Federal/pagina1.html

- Revista Veja Rio

http://vejabrasil.abril.com.br/rio-de-janeiro/editorial/m213/corrente-solidaria

- Juramento de Hipócrates

http://pt.wikipedia.org/wiki/Juramento_de_Hip%C3%B3crates

- O Dia On Line

http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/10/medicos_solidarios_levam_saude_a_favelas_114088.html

About these ads

1 comentário

  1. Gustavo said,

    03/10/2010 at 4:34

    Excelente blog, parabéns aos criadores. Haverei de divulgar o blog e sua ideia, idéia da qual eu compartilho.
    Muito obrigado brava gente!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: